Portugal 2020: Centro aprovou 18 milhões para o distrito

Castelo Branco é o concelho com maior número de aprovações, com a Fábrica da Creatividade na frente. Hotel no Fundão e fábrica de calçado em Belmonte com maiores fatias.

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro aprovou até final de 2016 no distrito de Castelo Branco um total de 197 projetos que concorreram a fundos do programa Portugal 2020.

Estas aprovações representam um total de apoios que ronda os 18 milhões de euros, de acordo com os números disponibilizados pela entidade gestora do Centro 2020, atualizados no último dia do ano passado.

O concelho com maior número de projetos aprovados até ao momento é o de Castelo Branco, com 32 projetos e cerca de 6,3 milhões de euros de fundos.

O mais significativo, superior a 1,6 milhões de euros, é a adaptação do antigo edifício da Sicofato à Fábrica da Criatividade, promovida pela Câmara Municipal de Castelo Branco. Esta entidade viu ainda aprovadas outras três candidaturas.

Entre os candidatos com projetos aprovados estão ainda o Instituto Politécnico de Castelo Branco, a AEBB- Associação Empresarial da Beira Baixa ou o Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar.

Nas empresas o maior projeto aprovado é o apresentado pela A.F Carreto e Filhos, uma empresa situada na zona industrial de Castelo Branco que pretende investir mais de 800 mil euros na introdução de uma linha de reciclagem de cabos elétricos.

Na lista de concelhos com projetos e fundos provados segue-se a Covilhã com 29, o Fundão com 24, Proença-a-Nova e Idanha-a-Nova com nove cada, Sertã com oito, Penamacor com quatro, Vila Velha de Ródão com três e Oleiros e Vila de Rei com dois cada.

No distrito de Castelo Branco os projetos com o maior volume de investimento elegível são a criação de um hotel no concelho do Fundão com 2,2 milhões de euros, a Fábrica da Criatividade de Castelo Branco e a criação de uma fábrica de calçado no concelho de Belmonte, estes dois com cerca de 1,6 milhões de euros cada.

Na maioria dos concelhos da região os projetos com maior valor de investimento elegível foram apresentados por privados, com exceção de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Sertã, Oleiros e Vila de Rei, onde dominam as câmaras municipais e entidades públicas, como é exemplo o financiamento para a Unidade Local de Saúde de Castelo Branco remodelar o Centro de Saúde da Sertã.

Na região centro foram aprovados até final de 2016 mais de 2.600 projetos de empresas, com uma proposta de investimento global de 2,3 mil milhões e um apoio dos fundos europeus de cerca de 1,1 mil milhões de euros.

Ana Abrunhosa, a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, assegura que “1.820 destes projetos já têm pagamentos num total de 233 milhões de euros”, diz em comunicado, o que representa uma taxa de pagamentos de 21 por cento, a mais alta do país.

Na comunidade da Beira Baixa – que inclui os concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Penamacor, Vila Velha de Ródão, Proença-a-Nova e Oleiros – foram feitos pagamentos a 33 dos 49 projetos, num total superior a 14 milhões de euros provenientes de fundos europeus.

 

 

 

 

Fonte: Reconquista

03/02/2017