Turismo criou mais de 27 mil novos empregos só no ano passado

Empresas ligadas ao turismo - hotelaria, restauração e agências de viagens - geraram quase um terço de todos os postos de trabalho criados em 2016.

O boom do turismo não para – Grupo Pestana, Vila Galé, Hoti e Pine Cliffs são apenas algumas das empresas que têm, neste momento, ofertas de emprego ainda para preencher. Mas também há agências de viagem ou de animação turística a contratar mais trabalhadores para conseguirem responder a uma procura cada vez maior. Só em 2016, o turismo gerou mais de 27 mil postos de trabalho, um terço do total de 82 mil empregos criados no país. Ao todo, de acordo com os números da Segurança Social a que o Dinheiro Vivo teve acesso, há nada menos de 330 224 pessoas a descontar para a indústria do turismo, desde a restauração ao alojamento. São mais 9,1%. 

“Há um crescimento significativo no número de pessoas declaradas à Segurança Social. O turismo voltou a criar emprego, invertendo a tendência dos últimos anos”, confirmou ainda recentemente Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo.

Não surpreende – no ano passado nasceram 4455 novas empresas só no alojamento e na restauração (+3,2%). E os números do emprego até podiam ser bem melhores, não fora a grande sazonalidade que ainda marca a atividade. No verão, por exemplo, “o Algarve está cheio de turistas e os hoteleiros e restaurantes desesperam por cozinheiros, empregadas de andares ou empregados de mesa”, queixam-se os empresários; no inverno, muitos hotéis fecham. “A atividade turística tem essa característica. Temos de trabalhar para garantir que a atividade é sustentável todo o ano”, considera Ana Mendes Godinho. 

A esmagadora maioria dos novos postos de trabalho – mais de 19 mil – foram criados pela restauração, cujo negócio beneficiou do impulso proporcionado pela descida do IVA de 23% para 13% e pelo aumento do consumo das famílias. Foi uma subida de 9%. Sozinha, a restauração representa já 70% do emprego no turismo, isto é, mais de 230 mil postos de trabalho. O alojamento dá trabalho a 66 mil pessoas, 20% do total do setor. São mais 5433 novos empregos do que em 2015 (+9,1%). 

O alojamento tem ganho novo gás com o arrendamento de curta duração e abertura de novos hotéis – só neste ano está prevista a abertura de mais 40 e em Fátima estão três hotéis a ser construídos para receber a visita do Papa Francisco.

Já as agências de viagens respondem por uma fatia mais pequena de 4%. Mas, em percentagem, as empresas de animação turística foram as que mais cresceram: 15,4%. A Segurança Social não revelou os dados por regiões, mas, tendo em conta os números da ocupação hoteleira, é no Algarve, em Lisboa, no Porto e nos Açores que o turismo está a criar mais emprego. 

2016 foi, na verdade, um ano de recordes para o turismo: 19,1 milhões de hóspedes, um aumento de 9,8%, e 53,5 milhões de dormidas, mais 9,6%. As receitas turísticas chegaram a um máximo histórico de 12,7 mil milhões de euros. Foram mais 1,22 mil milhões do que em 2015. Um aumento de 10,7%, o maior crescimento dos últimos dez anos. 

Tudo o que mexe com o turismo está a crescer, desde a restauração ao imobiliário e à construção. E, pelas reservas já feitas, 2017 promete bater novos recordes, com mais turistas e melhores preços, prevê Raul Martins, presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP). Não surpreende, por isso, que mais de duas dezenas de empresas estejam nesta semana na BTL à procura de trabalhadores.

 

 

 

 

Fonte: Dinheiro Vivo

13/03/2017